Azevias de grão saudáveis

Azevias de grão saudáveis

Azevias de grão saudáveis

Sim é possível tornar o Natal um pouco mais saudável sem dizer adeus à tradição… Prova disso são estas azevias de grão saudáveis! (A única coisa que vai dizer adeus é à azia).

Todavia, estas azevias de grão saudáveis não são fritas, não levam açúcar e, ainda assim, são maravilhosas! Não foi complicado fazer uma versão saudável do recheio, mas esta massa é incrivelmente versátil e boa! Agora coloca-se aqui outra discussão: azevias ou pastéis de grão? O nome não interessa, mas que são deliciosas, lá isso são! Veja aqui o passo a passo da receita!

Azevias de grão, de batata doce ou de chila?

As azevias originais nasceram no mosteiro de Santa Clara, em Coimbra, e foram baptizadas com o nome de pastéis de Santa Clara (que ainda hoje podemos encontrar).

As freiras de Santa Clara eram conhecidas por fazer diversos tipos de massa fina e estaladiça, como a massa filo, que é utilizada nos famosos pastéis de Tentúgal.

Os pastéis de Santa Clara eram, então, feitos com massa tenra, recheada com uma mistura de doce de ovos com amêndoa e fritos em azeite a escaldar. Terminavam envolvidos em açúcar e canela.

Dizem, por aí, que eram feitos no maior dos secretismos e só as freiras sabiam a receita original. Tornaram-se tão famosos que percorreram o país, chegando a outros mosteiros.

Entretanto, noutro mosteiro, no Alentejo, como nem sempre havia acesso à matéria-prima original, recriaram outros recheios com os produtos da zona: grão, batata-doce, abóbora, chila e amêndoa. Assim, nasceu um pastel diferente que ganhou o nome de azevia para se destinguir dos de Santa Clara

Veja aqui mais receitas saudáveis de Natal

As melhores Rabanadas de Natal
Bolo Rainha
Bacalhau de Natal
Bolachas de Natal
Broas de Natal
Estufado de Grão com Bacalhau e Ovo
O que fazer com as sobras de Bacalhau?
Pão de banana
Pão de alfarroba, gengibre e maçã
Peru de Natal no forno
Trufas de Natal

Azevias de grão saudáveis

4 De 1 vote
Doses
doses
Tempo de Preparação

30

minutes

Para comer sem medo de ficar enfartado. Sem frituras e muito saudável.

Ingredientes

  • 1 chávena farinha de amêndoa

  • 1/2 chávena farinha de linhaça

  • 3 colheres de sopa azeite extra virgem

  • 2 ovos grandes

  • Pitada de sal

  • Canela em pó (a gosto)

  • 1 gema de ovo ou geleia de arroz

  • côco ralado

  • Recheio
  • 400 gr grão cozido

  • 15 tamaras ou xarope de tâmaras ou mel

  • 1 pau pau de canela

  • 1 casquinha de limão

Passos

  • Pre-queça o forno a 180ºC
  • Numa taça grande grande adicione a farinha de amêndoa, a farinha de linhaça, sal e canela. Envolva bem.
  • Noutra taça, adicione os ovos e o azeite e bata até ficar levemente espumoso. Junte com o preparado das farinhas e amasse até ficar uma “massa”.
  • Coloque num tabuleiro com um papel vegetal por baixo e outro por cima e com a ajuda dum rolo “espalhe” bem a massa.
  • Retire a folha superior e, com a ajuda de um molde ou copo, faça círculos, recheie com o doce num dos lados e dobre ao meio. Pincelar com gema de ovo (para ficar mais brilhante ou geleia de arroz).
  • Coloque no forno por cerca de 12 a 14 minutos ou até dourar.
  • No final polvilhar com côco ralado.
  • Recheio
  • Colocar as tâmaras de molho 15 minutos antes.
  • Num robô de cozinha triturar o grão e as tâmaras.
  • Colocar tudo num tacho, adicionar o pau de canela e as casquinha de limão até ferver, mexendo continuamente. Adicionar a água do grão ou das tâmaras, até atingir a consistência necessária.
  • Deixar arrefecer e reservar.

Video da Receita

Entretanto, não se esqueça de subscrever o nosso canal do Youtube e carregar no sino para activar as notificações.

Etiquetas:
, , ,
2 Comentários
  • ferreiraedgmailcom
    Publicado às 14:00h, 20 Dezembro Responder

    Alô … ? Posso referenciar este “cantinho”?
    Estou a criar um directório de páginas / Blogs Primal / Paleo “friendly”, para divulgar também nos grupos facebook e gostaria naturalmente de incluir o vosso espaço. A intenção será publicar e “distribuir” a partir do meu site https://nutrirevolucao.pt

Deixar uma resposta